segunda-feira, 31 de julho de 2017

Festa em Honra de Nossa Senhora da Saúde 2017

Nos passados dias 14, 15, 16 e 17 de Julho realizou-se a tradicional festa em honra de Nossa Senhora da Saúde. Este ano tendo como cabeça de cartaz o famoso artista Rouxinol Faduncho. 




Na sexta feita, dia 14, tivemos atuação do grupo Manuel Braz. No sábado à tarde houve o tradicional torneio de sueca e corrida de carros de rolamentos. 




À noite houve a atuação do grupo Ondas e do artista Rouxinol Faduncho.





No domingo houve missa seguida de procissão. Após a procissão houve o tradicional leilão das fogaças seguido da atuação do rancho folclórico e etnográfico de Cernache do Bonjardim. A recolha das fogaças e a procissão foram acompanhadas pela Bandinha da Alegria, tendo também atuado durante a a tarde.



No domingo à noite tivemos baile com Paula Ribeiro. Na segunda feira houve o tradicional almoço para conterrâneos e amigos da terra.





Queria deixar aqui uma palavra de agradecimento aos mordomos desde ano dada a dedicação que puseram na execução deste projecto e a tragédia que se abateu na região. Desde os artistas passando pelo bar e pela quermesse até à ornamentação, melhor não poderia estar. Desejo também o melhor para os mordomos do ano que vem. 


Um Bem Haja a todos os presentes, e que para o ano cá estaremos todos!

Incêndio de Pedrogão Grande

Após alguma demora, pois outros afazeres me retiraram o tempo ao longo destes dias. Quero aqui deixar um apontamento sobre o que se sucedeu naquele fatídico dia, apesar de todos nós já sabermos o que se passou, pois foi repetido diversas vezes na comunicação social.

Infelizmente, por mau planeamento e também pelo tamanho da calamidade, não me foi possível estar presente no Fontão aquando a chegada do incêndio. Apenas posso relatar o que me contaram e o que vi depois deste passar. Também não tenho muitas fotografias para contar a história.

A propagação do incêndio foi uma coisa nunca antes vista, no incêndio de 2005 houve tempo para tudo, desta vez não houve tempo para nada. O incêndio terá chegado ao Fontão por volta das 9 horas da noite. O vento era muito mas felizmente não se fazia sentir na direcção da aldeia, o que fez com que o incêndio se esticasse pelo vale abaixo em direcção à Foz Fontão. Mas como apenas haviam 2 carros dos Bombeiros Voluntários de Penela (a quem eu quero deixar um agradecimento), o incêndio ardeu por onde quis tendo apenas ficado uma pequena área verde no cimo da aldeia.  Arderam 2 palheiros, uma casa velha já sem telhado e uma casa de 2ª habitação que era ao lado desta última.


Em números redondos, 90% da freguesia ardeu, só não ardeu a parte de Alge porque já tinha ardido o ano passado. Os lugares mais afectados foram Vilas de Pedro e Vale do Vicente, nestas aldeias até se verificaram telhados arrancados pela força do vento. No Vale do Vicente arderam várias casas. 

Naquela noite, grande parte das aldeias não tiveram a ajuda dos bombeiros. O que é perfeitamente compreensível dada a escassez de meios verificada e a rápida propagação do incêndio também fez com que as vias de acesso à freguesia ficassem intransitáveis, mesmo que alguém quisesse passar não conseguia.

Falando do que aconteceu no total (nos 3 concelhos), tudo o que podia correr mal, correu mesmo mal. Naquele dia as condições climatéricas eram propícias à deflagração de incêndios. A temperatura era bastante elevada e a humidade baixa. Havia poucos meios disponíveis para o combate ao incêndio porque ainda não estávamos na chamada "época de incêndios", a fase Charlie só começou a 1 de Julho se não estou em erro. A tal desorganização que foi falada da comunicação social, da Proteção Civil no combate ao incêndio. E ainda o vento forte que se fez sentir e que ajudou o incêndio a propagar-se em diversas direcções . Tudo isto ajudou para o desfecho que todos sabemos.

Para o futuro penso que nada vai mudar. É falado num plano piloto para a floresta mas duvido que isso venha a ter algum impacto na economia dos 3 concelhos. A floresta podia ser uma grande fonte de riqueza para esta região do país, mas infelizmente está abandonada. Muitos dos terrenos não tem dono e nem sequer existem pessoas para cuidar deles. Não é só nestes 3 concelhos, mas o interior do país está completamente deserto, vitima das políticas centralistas do estado (nem sequer existem infraestruturas básicas como escolas e hospitais). Por outro lado, ao longo destes anos todos, as câmaras municipais também não têm ficado muito bem na fotografia, em vez de terem trabalhado e lutado para resolver ou atenuar este problema, têm antes trabalhado na caça ao voto, porque é mais fácil garantir o lugar nos próximos 4 anos do que trabalhar para desenvolver o concelho. Parece que ninguém se preocupa com este problema, mas daqui por uns anos, vamos ter freguesias completamente desertas, e Campelo vai ser um desses casos. 

A floresta está completamente retalhada sendo impossível qualquer tipo de ordenamento. Uma solução para a floresta, podia passar por a constituição de associações florestais. Era necessário fazer o levantamento de uma dada área florestal e identificar os terrenos com dono e sem dono. Os proprietários entregavam então a gestão dos terrenos a essa associação, deixando de ter metros quadrados e passando a ter cotas. Os lucros eram então distribuídos pelos proprietários consoante as cotas. Assim já era possível ordenar a floresta bem como aplicar técnicas de produção adequadas. 


O negro que hoje se observa, daqui por uns tempos vai voltar a ser verde. Mas os problemas vão continuar a persistir e provavelmente nada vai ser feito para os resolver. Enquanto os anos vão passando, apenas nos resta esperar por outro incêndio e que as consequências sejam as menores possíveis.



domingo, 2 de abril de 2017

Queimada no Fontão Fundeiro

Hoje, dia 2 de Abril de 2017, os Bombeiros Voluntários de Figueiró dos Vinhos realizaram uma queimada no Fontão Fundeiro. Alguns populares com o apoio dos bombeiros, organizaram uma queimada controlada de modo a eliminar algum material combustível que podia vir a ser problemático no Verão.








quinta-feira, 11 de agosto de 2016

Incêndio na Freguesia de Campelo



O incêndio começou por volta da meia noite na passada terça-feira, dia 9 de Agosto, na aldeia do Ameal, concelho da Castanheira de Perâ. Ainda na terça feira o incêndio ameaçou várias habitações na vila de Castanheira de Pera, tendo isdo necessário evacuar a Praia das Rocas, acabou por ser dominado ao início da noite. Durante a madrugada de quarta feira acabou por se reacender e dada a direção do vento passou a serra para o outro lado, entrando já na freguesia de Campelo, concelho de Figueiró dos Vinhos. Durante o dia de quarta-feira ameaçou as localidades de Alge, Singral, Eiras e Ribeira Velha.
O incêndio foi combatido por mais de 300 bombeiros apoiados por cerca de 100 viaturas e 3 meios aéreos. Acabou por ser extinto durante a noite de quarta-feira. Ficam aqui algumas fotos sobre o incêndio.














quarta-feira, 20 de julho de 2016

Festa em Honra de Nossa Senhora da Saúde 2016

Como é tradição este fim de semana realizou-se a festa em honra de Nossa Senhora da Saúde, este ano com muito, muito calor. Os festejos iniciaram-se na sexta feira com o organista Graciano Ricardo até altas horas da madrugada.



No sábado realizou-se o tradicional torneio de sueca. Ao fim da tarde houve a Vacada onde os mais corajosos puderam mostrar as suas habilidades com os vitelos.






Ao mesmo tempo, a Banda Anarkia e o staff do Quim Barreiros tratavam de montar o equipamento para o espectáculo que se seguiria mais logo.



Sábado à noite, a noite mais longa do burgo. Para não fugir à regra, mais uma vez a capela, o arraial e os andores estavam muito bem ornamentados. 









Actuação da Banda Anarkia




Actuação do Quim Barreiros








No domingo, de manhã a Filarmónica Figueiroense recolheu as fogaças percorrendo as ruas da aldeia. Às 3 da tarde houve missa, seguida de procissão.





 Após a missa houve uma pequena actuação da Filarmónica Figueiroense e leilão das Fogaças.



À noite, tivemos a actuação da Banda T e baile até altas horas da madrugada.



Na segunda feira tivemos missa e o tradicional almoço de convívio para conterrâneos e amigos da terra, seguido dos encerramentos dos festejos.

Queriam deixar aqui uma palavra de agradecimentos aos mordomos desde ano dada a dedicação que puseram na execução deste projecto. Desde os artistas passando pelo bar e para quermesse até à ornamentação, melhor não poderia estar. Desejo também o melhor para os mordomos do ano que vem. 


Um Bem Haja a todos os presentes, e que para o ano cá estaremos todos!